Mundo Gonzo #78: O Novo Lobo Solitário e A Diferença Invisível

Coluna volta com dicas de leitura

Bem-vindo ao meu mundo.

Sabe, fiquei quase sete meses sem escrever aqui para vocês. Neste tempo todo pensava como voltar, escrevia algumas linhas, mas acabava não publicando, muita coisa mudou. Minha vida passou por momentos estranhos, não sei se deveria começar o Mundo Gonzo dessa forma, mas sinto que perdi um tempo enorme procurando o significado e respostas para tantas coisas, acabei não percebendo o mais simples. Bem, em meio a tudo isso ainda descobrir que tinha um problema de saúde… ah, vamos voltar a programação normal.

Hora de falar de quadrinhos e outras nerdices que vocês merecem ler. Vamos voltar a divagar sobre coisas do dia aqui. Falar de Game Of Thrones, que imagino que vocês estão assistindo. Vamos seguir em frente pois, como já dizia John Lennon, “Life is what happens to you while you’re busy making other plans” (A vida é o que acontece enquanto você está ocupado fazendo outros planos).
Mundo Gonzo no ar.

“If you want me tell me now
If I can be of any help, tell me how
Let me love you like a friend
Every little thing is gonna come right in the end
Souvenir
No, not another souvenir
No, no no, no, souvenir”


UMA CONTINUAÇÃO QUE DÁ GOSTO

Me pegou na primeira página

Quando eu peguei o volume 1 e dois de o Novo Lobo Solitário (Panini Mangá), devo ser honesto não estava com boa vontade. Caramba, Lobo Solitário é um clássico, uma obra que influenciou gerações. Com mais de 40 anos, a obra do roteirista Kazuo Koike e do artista Goseki Kojima parecia que não poderia ser tocada por mais ninguém, nem mesmo por seus criadores. Mas em 2003, Kazuo Koike decidiu revisitar sua obra. Na verdade, ele decidiu fazer uma continuação direta. E quando falo em continuação direta é direta mesmo. A história se passa exatamente de onde terminou a série original, algumas horas depois do fim de vigésimo oitavo número. E foi aí que o mangá me pegou.

Não temos mais os desenhos do saudoso Goseki Kojima (1928-2000), no seu lugar entra Hideki Mori. E olha, ele consegue segurar a revista, não em alguns momentos a sua diagramação tende para um tom mais moderno, mas Mori consegue honra os personagens, mas não chega ao nível de Kojima (ok, posso tá sendo fanboy e sei que estou sendo). Me chamou atenção foi a forma como Kazuo Koike escreve essa continuação, não é tão poética quanto o clássico, não chega a ser ruim, longe disso, mas é uma diferença enorme.

Mas Koike tem uma arma na sua mão, que não mudou com os anos, ele sabe prender a atenção de qualquer um com seus personagens. Em o Novo Lobo Solitário vamos acompanhar agora a jornada do pequeno Daigoro. O pequeno agora tem a companhia de um outro samurai. Togo Shigetaka é completamente diferente de Itto Ogami, isso mostra como o cuidado que Koike tem em criar personagens. Mesmo longe do clássico, o Novo Lobo Solitário é uma leitura boa, fluida e ótima para quem gosta, assim como eu, de histórias de samurais, ler sobre honra, o caminho da espada e o Japão feudal. Pra mim é um prato cheio e espero que seja para você também. O número três já saiu em uma loja em São Paulo, o carioca aqui vai esperar para continuar essa leitura.

Assim o mengá me pegou

Novo Lobo Solitário
Editora: Panini
Número de páginas: 220
Formato: (13,5 x 20,5 cm)
Preto e branco/Lombada quadrada
Preço de capa: R$ 18,90


INVISÍVEL PARA QUEM?

Você merece ler essa HQ

Meu deus, nunca antes na minha da minha vida uma revista falou tanto comigo. Foi exatamente isso que fez A Diferença Invisível (Editora Nemo). Sabe aquela leitura que te faz refletir? Vou explicar, na graphic da Editora Nemo somos apresentados a jovem Marguerite (Margo, para os amigos). Você pode achar que ela não tem problema algum. Bonita, com um bom trabalho e um namorado. Mas algo por dentro mexe com ela. Faz ficar deslocada do mundo e luta contra esse sentimento todos os dias. Uma tarefa árdua que parece não ter solução. Todo barulho e luz causam incômodo. Depois de tanto pesquisa ela descobre seu grande problema: A síndrome de Asperger, uma forma leve de autismo.

Daí você deve tá falando: Cassiano, sério que você vai dar uma dica desse tipo de HQ? Sim, meu amigo. Eu  vou falar para você ler uma das melhores HQs desse ano de 2017. Diga-se de passagem, a Nemo vem lançando uma boa HQ atrás da outra. Ponto para editora.

Em  A Diferença Invisível, a doença e explicada de uma forma tão linda e leve, nos faz ver um problema que afeta várias pessoas no mundo e que vivem, por que não acho estranho isso, um preconceito enorme das “pessoas normais”. A forma como Margo tem a vida mudada após a descoberta e percebida pela forma Mademoiselle Caroline desenha as páginas.

Eu fiquei totalmente tocado com o roteiro de Julie Dachez (essa é história da vida dela. Sim, ela tem a síndrome). Olha, uma revista que me fez olhar para dentro e tem uma perspectiva maior de tudo que me cerca. Queria ter lido essa revista há um bom tempo, tenho certeza que seria uma pessoa melhor.

Como diz a frase na quarta capa da HQ: “Este é um quadrinho de utilidade pública”. Concordo e recomendo demais a leitura.

A Diferença Invisível
Editora: Nemo
Número de páginas: 196
Formato: (17 x 24,5 cm)
Preto e branco/Lombada quadrada
Preço de capa: R$ 44,90


É isso pessoal, semana que vem tem mais Mundo Gonzo. A gente se esbarra por este mundo.

 

The following two tabs change content below.

Cassiano Pinheiro

Criador do Mundo Gonzo, Jornalista, apaixonado pelo mundo das HQ's e outras nerdices. Jogando na mega-sena para ficar rico e custear meus gastos em HQs. Desenhista, beatlemaníaco e louco por uma boa cerveja.