Mundo Gonzo # 59: Blade, Tokyo Ghoul e Um Recado do Jim Lee

Bem-vindo ao meu mundo.

Que semana, heim? Começamos com a morte de David Bowie. Parecia um soco no estômago, uma porrada tão grande que acabou com minha segunda-feira. Beatles, Stones, Hendrix e Bowie são importantes musicalmente pra mim. Fazem parte da minha vida e foi estranho demais descobrir que o cara não está mais na Terra. Voltou para o espaço, ficaram a saudade e as lembranças. A música de Bowie vai estar sempre por aqui e não vai me deixar esquecer dele. David Bowie tornou-se imortal, mas a saudade é grande. Daí você imagina que mais nada pode acontecer de ruim na semana e mais um morre.Alan Rickman, cacete, que semana é essa? Eu sei, parece que todos os anos é a mesma coisa, esqueço que nossos heróis estão ficando velhos e que no fim isso vai acontecer com eles em algum momento. Mas dói, deixa lacunas e um saudade sem fim. Mas tento pensar que as músicas, filmes, imagens estão aí para todo o sempre, e quando a saudade apertar é só buscar por ela e voltar a sorrir. “Vamo que vamo”, temos mais um Mundo Gonzo pela frente. Mas antes vamos curtir um pouco de Bowie, ou devo dizer Ziggy Stardust.

“There’s a starman waiting in the sky
He’d like to come and meet us
But he thinks he’d blow our minds
There’s a starman waiting in the sky
He’s told us not to blow it
Cause he knows it’s all worthwhile
He told me:
Let the children lose it
Let the children use it
Let all the children boogie.”


O BELO TRAÇO DA LÂMINA

O ano começou, mas parece que 2015 não vai ser esquecido por um bom tempo. Os reflexos da CCXP ainda são sentidos, um dos motivos para isso são os lançamentos que rolaram por lá. Um dos mais esperados era Blade – A Lâmina do Imortal.

Capa da edição nacional da JBC

Capa da edição nacional da JBC

A obra-prima Hiroaki Samura chegou a ser publicada parcialmente no país. Agora aJBC traz o titulo de volta no belo formato BIG (duas edições originais em uma) e mensal em 15 edições. Lembro que meu primeiro contato com o título foi com as edições da Dark Horse (Blade of the Immortal), que era é formato americano e leitura ocidental. Aquela leitura me fisgou, mas era novo, grana curta e nem todos os números chegavam ao Rio. Anos depois, começou a ser publicado no país e mais uma vez não tive como pegar. Finalmente vou ter a oportunidade de fazer a coleção e logo com uma bela edição da JBC.

Em Blade voltamos ao Japão Feudal, na metade da Era Tokugawa, segundo ano da era Tenmei (1782), é lá que conhecemos Manji, um samurai que depois de ficar seriamente ferido, recebe “o elixir da imortalidade” que o deixa com poderesparecidos com o do Wolverine. Só que o samurai não pediu pelo presente e quer voltar a ser mortal. Manji faz um acordo com a monja que o presenteou, depois que matar mil homens maus ele vai ter volta o seu direito de morrer.

Hiroaki Samura consegue misturar muito bem humor com o drama e transforma o mangá em uma bela obra. O mangáka tem um traço completamente diferente, que mistura nanquim com lápis e pode fazer você passar horas lendo a revista. Com um elenco muito bem construído, boa ambientação, Blade – A Lâmina do Imortal é um mangá que vai agradar bastante, desenhos e roteiros incríveis. Vale demais, a edição da JBC tem 448 páginas e custa R$ 39,90, mas com sorte você pode achar mais barato em alguns sites.


AS MÁSCARAS DOS GHOULS

Quando um mangá ganha um anime no Japão, em alguns casos, é por que a revista fez muito sucesso. Tokyo Ghoul entra nessa lista, um dos mangás mais vendidos da terra do sol nascente, seis milhões de copias só em 2014 e uma legião de fãs espalhados pelo mundo. O mangá escrito e ilustrado Sui Ishida chegou ao Brasil pela Panini.

Capa da edição 3

Capa da edição 3

A história é sobre assassinatos brutais que começam a acontecer em Tokyo. Logo a policia desconfia que algum tipo de criatura pode ser o responsável pelas mortes. Esses seres ganham o nome de“ghoul”. Em vários pontos da cidade as especulações começam a surgir e dois amigos criam uma teoria. Ken Kaneki e Hideyoshi Nagachika chegam a conclusão que os ghouls se camuflam de humanos, por isso nunca são vistos ou capturados. Eles estavam certos e Kaneki fica cara a cara com um desses seres. O ghoul deixa o Kaneki quase morto, mas acaba cometendo um erro e morre. Ken é levado ao hospital e só existe uma única salvação. Umtransplante. O doador? A criatura que o atacou.

É assim que começa Tokyo Ghoul, uma história envolvente e ao mesmo tempo muito violenta. O mangá é indicado para maiores de 18 anos. A Panini já lançou três volumes em bancas. Ah, você deve tá se perguntando – Por que das máscaras do título? – Bem, melhor você ler o mangá. A série é mensal, tem 210 páginas e custa RS 12, 90.


O RECADINHO DO JIM LEE

A CCXP 2015 passou, foi épico! Grandes convidados e acredito que vamos nos acostumar com isso, pois a promessa é que esse ano vai ser tão épico e de fazer qualquer um sonhar para que dezembro chegue logo. Frank Miller foi a grande estrela de 2015, mas não podemos esquecer do velho Jim Lee. Ele quase fez chover na feira. Parecia um rockstar, tamanho o número de gente correndo para ver um dos desenhistas mais querido de todos os tempo. Claro que entre esse monte de gente, lá estava eu. Sim, pois além de jornalista, devo dizer que sou um fanboy e não escondo isso (ok, eu tento esconder um pouco). Mas foi demais tá perto desse povo. Jim Lee passou pelo estande da Panini, deu palestras e foi ao estande daChiaroscuro Studios para conhecer os artistas brasileiros agenciados por eles. Foi uma loucura. O lado bom é que graças o meu irmão Rodney Buchemi, Jim Lee mandou um pequena mensagem exclusiva para o Mundo Gonzo. Espero que vocês curtam.


É isso pessoal, Mundo Gonzo versão 2016! Espero encontrar com vocês por aqui no Abacaxi Voador, nos eventos e por aí. Vamos fazer esse ano melhor do que o que passou, tem muita coisa boa para acontecer e espero de coração que seja um bom ano pra todos nós. A gente se esbarra por este mundo.

The following two tabs change content below.

Cassiano Pinheiro

Criador do Mundo Gonzo, Jornalista, apaixonado pelo mundo das HQ's e outras nerdices. Jogando na mega-sena para ficar rico e custear meus gastos em HQs. Desenhista, beatlemaníaco e louco por uma boa cerveja.